Panorama sobre os cortes em ciência em ciência e tecnologia no Brasil

nota1_cortes

O ministro da Ciência, Tecnologias, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, fez declarações de que é preciso investir em ciências, porém, vários projetos que dependem de verbas federais têm sofrido com os cortes.

Durante evento comemorativo dos 50 anos da Financiadora de Estudos e Projetos, a Finep, Kassab chegou a dizer que “investimento em ciência é fundamental para o país”. Em outras ocasiões, o ministro defendeu o investimento de dois por cento do PIB em pesquisa e desenvolvimento e tem feito apelos aos secretários estaduais para defenderem os orçamentos das pastas de ciência e tecnologia.

A despeito do discurso oficial do MCTIC, no entanto, a ciência brasileira têm sofrido com cortes orçamentários e de programas.

A equipe da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica, com o corte de 50% da verba do CNPq, lançou uma campanha de crowdfunding para cobrir as despesas de organizar o evento em que participam cerca de 1 milhão de alunos de todo o país.

A Rede Nacional de Ensino e Pesquisa, RNP, ainda não recebeu o repasse dos 136 milhões de reais previstos para este ano. Sem verba, ela poderá deixar de fornecer acesso à internet para 739 universidades brasileiras.

Em junho, sem dinheiro para o pagamento das contas de luz, de cerca de 500 mil reais mensais, o supercomputador Santos Dumont do Laboratório Nacional de Computação Científica precisou ser desligado. Isso afetou pesquisas sobre o vírus zika, o mal de Alzheimer e sobre o pré-sal.

Haverá também corte de 20% dos auxílios CNPq para alunos de graduação e ensino médio; sendo reduzidas de 33.700 bolsas para 26.100 benefícios.

Os cortes não afetam apenas os projetos dependentes do MCTIC, mas também aqueles ligados aos órgãos do Ministério da Educação.

Em abril, 7.408 bolsas Capes foram congeladas e, em julho, 3.221 ainda permaneciam suspensas. A alegação do governo é que elas são ociosas, mas muitos alunos de mestrado e doutorados tiveram as bolsas suspensas e seguem sem recebê-las.

O programa Ciência sem Fronteiras sofreu uma modificação, não contemplando mais o nível de graduação. Mas ainda em junho alunos de doutorado em plena atividade em instituições no exterior tiveram suas bolsas suspensas.

Se mais projetos e programas serão afetados e como serão afetados ainda não se sabe, mas a necessidade de mais investimentos em ciência e tecnologia reconhecida no discurso tem enfrentado sinais contrários na prática.

Produção de Roberto Takata e locução de Erik Nardini.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *