Estatística no cotidiano

A estatística é uma ciência que serve para coletar, analisar e interpretar dados. Ela é usada em diversas áreas, como no setor financeiro, nos estudos climáticos, na medicina, entre outros. Usamos a estatística para analisar fenômenos do passado, mas ela também serve para prevermos a probabilidade de eventos futuros. Afinal, quem nunca quis saber se aquela viagem à praia no final de semana não seria prejudicada com a chegada de uma frente fria?

Para contar pra gente como são realizados os estudos estatísticos e onde eles são aplicados, conversaram conosco Jefferson Mariano, analista socioeconômico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Julio Stern, professor do departamento de matemática aplicada da Universidade de São Paulo. A entrevista é conduzida por Marina Gomes e Paula Pereira.

Conversamos com Jefferson Mariano sobre o uso da estatística no dia a dia e ele citou exemplos de situações onde a estatística é usada de forma tão usual que às vezes mal percebemos. Como exemplo ele citou o uso do cálculo que determina se é mais vantajoso abastecer um carro flex com álcool ou gasolina e também mencionou os índices dos jogos de futebol. “As pessoas não percebem que, hoje, no futebol, há uma enxurrada de utilização de indicadores e médias que as pessoas utilizam. E muitas vezes as pessoas fazem essas contas ou começam a perceber que intuitivamente a matemática, em específico, a estatística, está presente em todos esses eventos”, contou Jefferson Mariano.

As informações finais obtidas com uso da estatística são úteis, porém, fazer um levantamento estatístico tem seus desafios. O professor Júlio Stern apontou alguns dos desafios mais comuns: “Quando a gente vai trabalhar com um estudo a gente sempre quer ter o banco de dados organizado, limpinho e sem erros. E isso nunca acontece. O dado que a gente tem é sempre incompleto, geralmente desorganizado, invariavelmente corrompido, invariavelmente afetado de erro, invariavelmente afetado de outros efeitos que a gente não controla e muitas vezes, não na quantidade que a gente quer. O nosso banco de dados ou é pequeno demais ou é grande demais”.

Nesta entrevista, nossos convidados falaram sobre vários aspectos da estatística. Discutimos sobre o que são as margens de erro num cálculo estatístico; sobre o que acontece quando nem todos os dados podem ser obtidos e mesmo o que pode significar, para um estudo, quando algumas pessoas não passam informações verdadeiras em um levantamento. Falamos também sobre formas de coleta de dados e descobrimos como jogar dados ou girar uma roleta, pode às vezes servir como procedimento científico para adquirir conhecimento. Se quiser saber a resposta dos nossos entrevistados, confira a entrevista na íntegra!

Oxigênio na SNCT 2017

Esta entrevista fez parte do projeto “Matemática no Ar”, que integrou a programação da 14ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT 2017). Foi uma realização do programa de rádio e podcast Oxigênio por meio do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) da Unicamp em parceria com a Rádio Unicamp. O projeto ainda contou com a colaboração do PHALA (Grupo de Pesquisa em Educação, Linguagem e Práticas Culturais), da Faculdade de Educação (FE) da Unicamp, além do apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e do Governo Federal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *