#74 Oxilab: Como evolui o campo magnético da Terra?

Você já ouviu falar em Anomalia Magnética do Atlântico Sul? E sabia que ela pode afetar o funcionamento de satélites e computadores?  Também chamada de AMAS, ela é uma região do planeta que engloba boa parte da América do Sul, do oceano Atlântico e do continente africano e que está passando por um enfraquecimento em seu campo magnético.

Como o campo magnético terrestre funciona como uma barreira que protege o planeta das partículas emitidas pelo sol e por outros pontos da Via Láctea, esse enfraquecimento faz com que a região da anomalia fique menos protegida das variações do campo magnético externo. E isso acaba impactando tecnologias que funcionam em altitudes mais elevadas e distantes do ponto de geração do magnetismo, que ocorre no núcleo do planeta.

Por isso, resolvemos abordar essa anomalia magnética e seus impactos no Oxilab de hoje. Para falar sobre o tema, convidamos o geofísico Gelvam André Hartmann, do Instituto de Geociências da Unicamp, que vem pesquisando essa anomalia há cerca de 15 anos, com o objetivo de entender como ela evoluiu através do tempo. Recentemente, ele participou de um estudo sobre o magnetismo de estalagmites, que são rochas que se formam no chão de cavernas, para traçar as variações do campo geomagnético nos últimos 1500 anos.

O episódio de hoje foi produzido por Paula Penedo, com coordenação de Simone Pallone e colaboração de Eliane Fonseca. Os responsáveis pelos trabalhos técnicos são Octávio Augusto, da Radio Unicamp, e Gustavo Campos.

Deixe um comentário contando para a gente o que achou do episódio. Você também pode mandar sugestões pelo Twitter (@oxigenio_news), Instagram (@oxigeniopodcast) e Facebook (/oxigenionoticias). Se preferir, mande um e-mail para oxigenionoticias@gmail.com.

 

Imagem:

ESA/ATG Medialab

Músicas:
Breathing Planet – Doug Maxwell
http://activeterium.com/21eY)

Cycles – Density & Time
https://www.youtube.com/audiolibrary

Weirder Stuff – Geographer
www.youtube.com/audiolibrary

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *