#61 Oxilab: Dormindo na rede

 Redes sociais são um novo fenômeno que redesenhou completamente o mundo humano. Enquanto isso, redes de interações ecológicas — que acabam funcionando de maneira parecida, em alguns aspectos — são estudadas desde o Século XIX, e mesmo antes de serem estudadas já estavam ocorrendo na natureza, modelando o nosso mundo e até a nossa própria evolução.
 Nesta conversa com o professor Mathias Pires, do Instituto de Biologia da Unicamp, você vai descobrir algumas coisas interessantes sobre como o Facebook e a natureza têm seus paralelos, e também sobre como o trabalho de pesquisa em torno da questão das redes de interações ecológicas pode informar as decisões que teremos de tomar, como humanidade, para garantir o futuro dos nossos ecossistemas — e de nós mesmos.
 O Oxilab foi apresentado e roteirizado por Bruno Moraes, com apoio de Luanne Caires e da coordenadora do Oxigênio, Simone Pallone, com trabalhos técnicos de Octávio Augusto da Rádio Unicamp.

 Deixe um comentário contando para a gente o que achou do episódio. Você pode mandar sugestões também pelo Twitter (@oxigenio_news), Instagram (@oxigeniopodcast) e Facebook (/oxigenionoticias). Se preferir, mande um e-mail para oxigenionoticias@gmail.com.

 

Crédito das imagens: 

Internet Map by opte.org / CC-BY-2.5

Glyptodon por Heinrich Harder / Domínio Público (Public Domain)
Skeleton and shell of Glyptodon clavipes, exhibited in the Museum für Naturkunde in Berlin by H. Zell / CC-BY-2.5
Female Worker Bee by CSIRO [CC BY 3.0  (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)], via Wikimedia Commons
Créditos de Trilha Sonora:
“Industrious Ferret” Kevin MacLeod (incompetech.com)
Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License
http://creativecommons.org/licenses/by/3.0
Neo Western” Kevin MacLeod (incompetech.com)
Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License
http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

“River Fire” Kevin MacLeod (incompetech.com)
Licensed under Creative Commons: By Attribution 3.0 License

Thank you very much for your compositions, Mr. MacLeod.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *